Por Cristina Padiglione | Saiba mais
Cristina Padiglione, ou Padi, é paga para ver TV desde 1990, da Folha da Tarde ao Estadão, passando por Jornal da Tarde e Folha de S.Paulo

Porta dos Fundos vai ao STF contra censura a filme visto até por regimes autoritários

O Especial "A Primeira Tentação de Cristo": Jesus é bacana, mas não é hétero. Crédito: Divulgação

A Netflix, maior plataforma de streaming do mundo, foi ao STF (Superior Tribunal Eleitoral) contra a decisão judicial que mandou tirar do ar o filme “A Primeira Tentação de Cristo”, produção do grupo Porta dos Fundos lançada no início de dezembro.

Inconstitucional, o ato de censura foi uma decisão do desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Na liminar, ele afirma que decidiu recorrer à cautela para “acalmar ânimos”.
Em carta enviada ao Supremo, a Netflix sustenta que a decisão desrespeita princípio já defendidos pelo tribunal ao impor “restrições inconstitucionais à liberdade de expressão, de criação e de desenvolvimento artístico”.
Abicair (que já defendeu o presidente Jair Bolsonaro da acusação de homofobia e racismo quando ele ainda era deputado, em entrevista ao programa CQC, da Band) atendeu agora a um pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura, que alega que o filme violou a fé, a honra e a dignidade de milhões de católicos brasileiros, ultrapassando os limites da liberdade de expressão prevista na Constituição.

Outras ações na Justiça já haviam tentado tirar o programa do ar, em vão.

O especial de Natal vem sendo desde que entrou no ar apedrejado como aquele personagem do filme “A Vida de Bryan” quando pronunciava o nome “Josué”, mas isso era naquele tempo, não no terceiro milênio dito civilizado.

Presente em mais de 190 países, a Netflix recebeu queixas em outras nações, como na Polônia, onde também há quem tente na Justiça suspender o filme, ainda sem sucesso. Países com rigor autoritário e religioso maior, como Arábia Saudita, apresentaram até aqui mais tolerância do que o Brasil, único lugar do mapa mundial a tomar tal decisão.

No especial, Jesus (Gregório Duvivier) apresenta um amigo em casa, o efeminado Orlando (Fábio Porchat), que conheceu nos 40 dias em que esteve no deserto. Orlando vai se revelar depois o verdadeiro demônio que tenta Cristo, mas não são os gays que estão reclamando do programa, e sim os cristãos, que veem no personagem de Gregório uma blasfêmia a Jesus, apesar de ele se mostrar alguém de ótimo caráter e capaz de questionar seu pai maior, Deus (Antonio Tabet), este sim, ali retratado como outro malvado sacana do enredo fictício.

A julgar pelo especial de 2018, que ganhou o Emmy Internacional (“Se Beber Não Ceie”), em que Jesus era realmente do mal, sem que aquele filme tenha causado qualquer revolta aqui ou em outros países, o grande mal do Cristo da vez é realmente não ser hétero, como aqui já foi dito.

Em texto assinado no fim do ano para o jornal O Globo, Fábio Porchat chamou ainda a atenção para o fato de o Porta dos Fundos fazer essas sátiras cristãs há anos, sem jamais ter sido importunado desta forma. Qual seria o fator novo em 2019? Quem adivinha?

A Netflix, que assinou um acordo com o grupo para produzir três especiais de fim de ano e ainda tem um filme pendente para dezembro deste ano, distribuiu um comunicado informando o seguinte: “Nós apoiamos fortemente a expressão artística e vamos lutar para defender esse importante princípio, que é o coração de grandes histórias”.

O Porta dos Fundos publicou o seguinte texto em suas redes sociais:

“O Porta dos Fundos é contra qualquer ato de censura, violência, ilegalidade, autoritarismo e tudo aquilo que não esperávamos mais ter de repudiar em pleno 2020. Nosso trabalho é fazer humor e, a partir dele, entreter e estimular reflexões.

Para quem não valoriza a liberdade de expressão ou tem apreço por valores que não acreditamos, há outras portas que não a nossa. Seguiremos publicando nossos esquetes todas as segundas, quintas e sábados em nossos canais.

Por fim, acreditamos no Poder Judiciário em manter a defesa histórica da Constituição Brasileira e seguimos com a certeza que as instituições democráticas serão preservadas.”

Na véspera de Natal, a sede da produtora Porta dos Fundos foi atacada por coquetéis molotov e o atentado, já reconhecido por Eduardo Fauzi, defensor da Frente Integralista e refugiado na Rússia. Ex-membro do PSL, que acaba de expulsá-lo da legenda, ele divulgou um vídeo em que comemora a decisão da Justiça do Rio de Janeiro de retirar do ar o “A Primeira Tentação de Cristo” da Netflix.

“O Brasil tem macho para defender a igreja de Cristo e a pátria brasileira”, disse ele, endossando que o caráter homofóbico que abala os incomodados com o filme. Fauzi, no entanto, nem pensa em voltar ao Brasil neste momento em que a polícia brasileira pede sua extradição da Rússia.

 

Leia também:

“Suposto grupo integralista assume atentado contra Porta dos Fundos”

No humor do Porta dos Fundos, Jesus gay incomoda mais que Jesus do mal

Santa Ceia do Porta dos Fundos vence Emmy Internacional de comédia

 

 

 

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Cristina Padiglione

Cristina Padiglione