Por Cristina Padiglione | Saiba mais
Cristina Padiglione, ou Padi, é paga para ver TV desde 1990, da Folha da Tarde ao Estadão, passando por Jornal da Tarde e Folha de S.Paulo

‘Aruanas’ chega à TV aberta no momento em que o desmatamento passa despercebido

A diretora Estela Renner comanda cena com Leandra Leal (Luíza) e Taís Araújo (Verônica) Verônica ( Taís Araújo em barco no Amazonas / Divulgação

Produtora de “Aruanas”, série que estreia nesta terça-feira (28) na Globo, a Maria Farinha Filmes encomendou à Stillingue, empresa especializada em estudos de comportamento e consumo,  uma análise das menções ao título nas redes sociais entre janeiro e março deste ano. Os picos de citações à serie aconteceram entre 24 e 25 fevereiro, quando “Aruanas” apareceu no BBB. A boa notícia para Marcos Nisti e Estela Rennar, criadores e produtores de “Aruanas”, é que apenas 1,4% dos comentários foram negativos.

É em boa hora que “Aruanas”, série militante pelo meio ambiente, ficcional, mas com elementos bastante reais, desembarca na TV aberta nesta terça-feira (28), logo após a novela das nove. Será o primeiro dia do brasileiro sem o BBB, última diversão que lhe restava após perder novelas inéditas, jogos de futebol e shows musicais ao vivo.

Embora saibamos que a abstinência será forte, vale muito a pena se entregar à história das quatro ativistas ambientais que lutam contra o poder gigantesco de uma mineradora em território amazônico, atingindo floresta, reservas indígenas e o que mais vier pela frente, inclusive a população local, contaminada pela água apodrecida pela interferência da mineradora.

Quando surgiu no Globoplay, serviço de streaming pago da Globo, no ano passado, “Aruanas” encontrou um mundo muito disposto a bater boca pela Amazônia. O título chegou pouco antes de um dos picos de desmatamento da história da região, com pouco caso da administração Bolsonaro e investidores internacionais apontando o dedo para o estrago aqui causado com a conivência do governo -mais que isso, com um negacionismo sobre as próprias causas do aquecimento global.

Agora, enquanto estamos todos ocupados e preocupados com a disseminação do novo coronavírus, vigiando a porta de entrada de casa, outros vilões se aproveitam para assaltar a casa pela porta dos fundos. Afinal, como li nesta terça mesmo na Folha de S.Paulo, “bem resumiu o pesquisador Paulo Moutinho, do Ipam, desmatador não faz home office. O texto analisa dados do Inpe que mostram que o primeiro trimestre deste ano registrou aumento alarmante de 51% de alertas de destruição florestal, na comparação com o mesmo período de 2019. Até 31 de março, foram devastados 796 km² de mata, ante 526 km² nos três primeiros meses de 2019.

No enredo de Estela Renner e Marcos Nisti, com direção de Estela e direção artística de Carlos Manga Jr., “Aruanas” apresenta Taís Araújo, Débora Falabella, Leandra Leal e Tainá Duarte em diferentes posições de militância pela Ong que dá nome à série.

Como escrevi aqui por ocasião do lançamento no GloboPlay, o vilão, na irrepreensível interpretação de Luiz Carlos Vasconcellos, torna as heroínas ainda maiores. Não por acaso, é dele a frase que mais frequenta as chamadas da série -“quem gosta de floresta é índio; povo gosta é de dinheiro e dinheiro não vai faltar”.

Como bom personagem, Miguel tem um ponto muito nobre: o cuidado pessoal e o afeto pela neta, que sofre de paralisia cerebral.

Os conflitos entre as mocinhas também comparecem, alinhavando histórias pessoais de cada uma à bandeira ambiental, causa que pede  dedicação digna de sacerdócio e a relegação ao segundo plano de todo o resto na vida de todas.

Produzida pela Maria Farinha Filmes, a série chegou a mais de 120 países por meio da VIMEO, uma plataforma de internet, e, segundo Nisti, foi muito bem recebida por vários organismos internacionais dedicados à luta pela preservação do meio ambiente.

Estela faz questão de ressaltar que conseguiu formar uma equipe com 70% de mulheres, um feito e tanto para a indústria do audiovisual e motivo de orgulho para a diretora, mas ela se emociona sobretudo ao lembrar da comoção que a região amazônica nos vale, por tudo o que representa e pela permanente destruição.

Com confesso interesse em ampliar as vozes de socorro pela salvação da Amazônia, Nisti e Estela evitam falar na polarização que o tema provoca. Os dois preferem enaltecer a boa aceitação que a série teve até aqui.

Abaixo, para quem quiser saber mais, trago outros textos feitos aqui sobre a série, incluindo uma crítica feita após ver os dez capítulos pelo GloboPlay e um texto sobre o trabalho da Natura, patrocinadora da série, na Amazônia, prova concreta de como é possível tornar a região economicamente sustentável, sem minar a galinha dos ovos de ouro.

 

Ponto mais eficiente de ‘Aruanas’, vilão reproduz diálogos idênticos aos do noticiário

De causa nobre, ‘Aruanas’ já chega ao streaming patrocinada

Ponto vulnerável de Bolsonaro, Amazônia vira cartão internacional da Globo

Globo lança ‘Aruanas’ em Portugal: série traduz para o mundo o desastre ambiental brasileiro

 

Elenco de ‘Aruanas’ vê fotos de ativistas assassinados antes de gravar

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Cristina Padiglione

Cristina Padiglione