Por Cristina Padiglione | Saiba mais
Cristina Padiglione, ou Padi, é paga para ver TV desde 1990, da Folha da Tarde ao Estadão, passando por Jornal da Tarde e Folha de S.Paulo
Jornalismo&Doc

Caso Waack: deu no ‘New York Times’, em longo texto que cita escravidão no Brasil

Publicação jornalística que consta entre as mais e mais respeitadas do mundo, o jornal “The New York Times” repercutiu em longo texto o episódio ocorrido aqui com William Waack, em sua edição da última sexta, dia 10.

Sob o título ‘It’s a Black Thing’: Offensive Quip Becomes a Rallying Cry in Brazil’, a matéria narra o caso em que o âncora da mais importante rede de TV do País foi suspenso pela emissora, após a circulação, na internet, de um vídeo em que ele aparece fazendo aparente comentário racista. Conta que outro âncora (no caso, Renata Lo Prete) apresentou a edição daquele dia, dizendo que a Globo é “visceralmente contra o racismo”.

A matéria lembra que o Brasil tem uma robusta herança escravagista, tendo sido o maior mercado de escravos do mundo e o que país que mais demorou a abolir a prática na América. Observa que os negros batem os brancos como vítimas de violência, ganham salários inferiores, na média geral, e só recentemente passaram a ter representatividade em áreas profissionais antes inatingíveis para eles, como universidades, papéis relevantes  em artes dramáticas e política – embora mais da metade da população se identifique com as cor negra.

O texto informa ainda que a Globo tem se esforçado para promover ações em combate ao racismo em novelas e outros programas. E apresenta Waack como um respeitável jornalista, com histórico de coberturas dos conflitos no Golfo Pérsico e da queda do Muro de Berlim.

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter

Cristina Padiglione

Cristina Padiglione